terça-feira, março 19

POESIA: FALTA D'ÁGUA



FALTA D'ÁGUA

Pela proteção dos mananciais,
delate o algoz que lhe devora,
que furta orvalhos matinais,
e eterna aventura que no mato chora.

Abre ao relento o aquecimento, 
e uma multidão padece e implora,
a vida esvaindo a cada momento.
Em todo aceno, a criação vai embora.

No entanto, quanto mais tarde acordar,
quem sabe a morte por você reclame?
E a vida morra em todo seu tempo?

Todavia se seu canto espalhar,
num eco sufocar o infame,
de qualquer flagelo estará isento.

MARIANO, Lázaro. Canto da Terra - Identidades - 2009

6 comentários:

  1. Respostas
    1. Emalnuelly aqui é o autor do texto. Terás que pegar um dicionário e estudar um pouco. Isto te fará bem, não sei de tua idade, mas costuma fazer com que estudantes tenham boas notas em redação nas provas do ENEM.

      Um abraço. Estou a disposição.

      Excluir